quinta-feira, fevereiro 21, 2013

Filme da semana: Confessions (Kokuhaku)

Confessions foi o filme que o Japão escolheu para concorrer ao Óscar de melhor filme estrangeiro em 2011. Apesar de não ter sido nomeado para o Óscar é um filme que vale MUITO a pena. O filme é um thriller psicológico que deixa a cabeça de qualquer um, a andar às voltas de tão intenso que é. É daqueles filme que após vê-lo, a primeira reação é ficar pasma, atónico e pensar consigo mesmo, como é que uma pessoa pode fazer algo tão maléfico e ao mesmo tempo extraordinário.

Plot: No último dia de aula a professora Moriguchi (Takako Matsu) diz aos seus alunos que vai desistir da carreira e não voltar a dar mais aula. Ao mesmo tempo ela decide fazer uma revelação sobre a morte da sua filha de 4 anos. A professora diz que segundo os dados policiais a filha morreu afogada a partir de um acidente. Imaginem agora que a professora revela que não foi um acidente, mas sim, a filha foi assassinada pois dois dos seus alunos presente na sala, referindo-os apenas de aluno A e alunos B não dizendo os nomes.
Podemos até pensar que a partir daí, a história do filme vai ser para descobrir quem foram os assassinos (se fosse Hollywood) mas não, não é isso que acontece, o propósito do filme não é descobrir os assassinos pois a professora apesar de não dizer os nomes, ela acaba por identifica-los. Sim, logo nos primeiros minutos ficamos a saber quem eram os culpados. Como disse a intenção do filme não é identificar os culpados mas sim descobrir a vingança que a professora preparou aos dois culpados. Esta é simplesmente uma das melhores vinganças já feita, é A VINGANÇA. Para quem já viu a trilogia de vingança do realizador Park Chan Wook pode até discordar dizendo que Oldboy é um dos melhores filmes de vingança, mas sinceramente prefiro Confessions, porque este filme é uma tortura psicológica, é algo de tão perturbador que não paramos de pensar, é uma mistura de Oldboy, Battle Royale e Shutter Island. A vingança da professora Yuko Moriguchi dá de 10 a 0 a da Beatrix Kiddo do filme Kill Bill, ela não usa armas e nem anda a esquartejar as pessoas em pedaços, porém a ferida que ela deixa é mais profunda e dolorida.


O enredo do filme é descobrir a vingança da professora ao mesmo tempo que dá a conhecer o motivo do assassinato da filha. A história é contada através de flashback e confissões das 5 personagens envolvidas. Posso dizer que se existisse Óscar para melhor elenco, este filme já era a vencedora. Nunca vi tanto talento num só filme só e é difícil dizer qual era a personagem que mais brilhou pois TODAS foram excelente. As atuações foram sensacionais e palmas para os atores adolescentes que foram absurdamente INCRÍVEIS. A história é acompanhada ao som dos radiohead, mas eu apesar de ser radiohead não dei muita atenção a banda sonora de tão envolvida que eu estava. A complexidade psicológica do filme é tão intenso que é impossível ficar indiferente.

É um filme gélido e às vezes chega a ser poético, dá calafrios aos ossos mas não mete medo. A história é tão envolvente que não queremos nem piscar os olhos para não perder nenhum detalhe de tão intrigante que é. É um filme politicamente incorreto e tiro o meu chapéu ao realizador, Tetsuya Nakashima, que é o mesmo de Kamikaze Girls, por ter Balls coragem de fazer este filme fodástico e do caralho. Sim, disse palavrão, mas é única palavra que tenho para descrever este estupendo filme.


"Depois disso, só desperdicei tempo.
Sorrindo, chorando, isso e aquilo.Tudo,
inclusive viver, era simplesmente
insignificante. Passatempo."

Acho que hollywood nem vai atrever a fazer um remake deste filme, pois não estou a ver nenhum ator jovem/adolescente com calibre suficiente para a dimensão que a personagem exige.
Aqui vai o trailer, mas como a maioria dos trailers dos filmes orientais, não é um trailer a altura do filme. 

Link para Download: Não é difícil de encontrar este filme, existem vários torrents espalhados pela net, é só procurarem.

Sem comentários :